amores expresos

sábado, 29 de setembro de 2007

VALSA DO ADEUS

Já olho para as vistas e lugares tão belos de Praga com um olhar meio nostálgico, pois no dia 4 de outubro estarei voando de volta pra casa. Mas nos últimos três dias tive o prazer de ter aqui comigo o grande Tadeu Jungle, cineasta, fotógrafo, roteirista, diretor de teatro. Além de nos divertirmos bastante, como sempre acontece, quando dois brasileiros com afinidades se encontram no exterior, creio que foi feito um bom trabalho. Infelizmente não pudemos subir no balão, pois o tempo esteve miserável. Mas eu, prevenido, já subira antes e, feliz como uma criança, pude contemplar a velha cidade lá de cima. Em compensação, precisando voltar com Tadeu ao Novo Museu Franz Kafka, tenho a oportunidade de corrigir um erro grave que cometi no meu último post. A frase "Não importa o que fizer, você sempre estará errado" pertence ao romance "O castelo" e não a "Na colônia penal". Nesta novela, está a frase que eu, na verdade, queria usar na epígrafe: "A culpa nunca pode ser posta em dúvida". E nessa terceira visita ao Museu, ainda tive a oportunidade de reparar numa réplica do instrumento para execução de condenados na "Colônia", que consiste num mecanismo em que o condenado se deita nu, de bruços, enquanto uma enorme agulha vai inscrevendo em seu corpo o seu suposto crime.

Em Praga, no estatuário, o sofrimento cristão está em toda parte. Mas fiquei feliz que Tadeu pudesse registrar o Cristo que tenho logo diante de minha janela, no quarto de hotel, diante da Charlus Most. Sua grande diferença, que logo me chamou a atenção, é que Ele, cercado por dois homens, médicos, acho, está com muito boa aparência, de rosto e de corpo. E está com um dos braços agarrando a cruz, com uma certa displicência - e me desculpem os cristãos fervorosos - que me lembrou um pouco um esportista. Da minha janela no Hotel Três
Avestruzes, posso ouvir também, enlevado, o gorjeio de aves que não gorjeiam como as daí.

Senti-me realizado, também, que Tadeu pudesse filmar a musa eleita para minha história: uma escultura de madeira, em frente ao Caffé de Lei. Trata-se de uma jovem bem moderna, com seios que aparecem sob a blusa, uma das pernonas de fora, o sexo velado, mas ostensivo, enfim, uma jovem que alegra o turista já meio cansado de terrores e crucificações. Se pudesse, eu a levaria comigo para casa, sentada ao meu lado no avião.

Falando em turistas, o curioso é que esses não fazem nunca o roteiro kafkiano, graças a Deus, se não teríamos japoneses fotografando todos os retratos, manuscritos, instalações, no Novo Museu; guias falando em diversas línguas, uma babel terrível que nem Franz seria capaz de prever. Talvez se possa inferir daí algum princípio de Literatura Comparada: Kafka não é para japoneses. Vou tentar conferir esse princípio, na primeira oportunidade, com o grande poeta nipônico Gozo Yoshimasu, meu colega no International Drinking Program, na Universidade de Iowa, EUA, em 1970/71.

Levei Tadeu ainda para ver o pintor eslovaco Vincent Hloznik que me fez, ou me destruiu de vez, a cabeça, com surubas desconcertantes, humanas e animalescas. Enfim, indescritíveis, mas suponho que vocês poderão ver os quadros no documentário do Amores Expressos, como também poderão ver a bela Alice, de Carrol, no cartaz do belo teatro de sombras, a que assisti, encantado. E devo explicar que todas essas coisas fizeram parte de minhas pesquisas de campo.

Enfim, no documentário haverá também uma outra Praga, em que habitam uns poucos marinheiros negros, que convidam os visitantes para passeios de barco no rio Vltava. Conversa vai, conversa vem, descobrimos que são da Costa do Marfim, e marinheiros porra nenhuma. Estão assim trajados apenas como chamariz, e como nesta cidade quase não há negros, chamam a atenção à distancia. Mas um deles logo estava querendo cobrar uma grana para ser filmado. E seu argumento definitivo - para darmos no pé - foi: "Mas o Ronaldinho não cobra?"

O que me resta nesses últimos dias? Talvez volte ao pub Vodu, para tomar absinto, relembrando os tempos em que eu, Sartre, Simone, Boris Vian... E comer uma avestruz como ultima refeição. Sergio Sant'Anna - Praga, 30 de setembro de 2007.

2 Comentários:

Blogger samba no varal disse...

Oi Sérgio,
não sei como cheguei aqui,sei quase nada de tudo, mas vá com calma com o absinto...
vou te seguir enquanto der

30 de setembro de 2007 16:18  
Blogger Milu disse...

oi, sérgio
acabo de ler 3 contos teus em voz alta para mim mesma e uma amiga escultora, que trabalha enquanto leio. adotamos essa maravilha há alguns meses e, nestes dias, temos lido muita coisa tua. a leitura de hj foi tão impactante que cheguei em casa determinada a vasculhar por mais textos teus na internet e me deparei com este blog. o que li esta noite: a figurante; um conto abstrato; um conto obscuro. fico aqui pensando... na verdade penso pensamentos demais, todos ao mesmo tempo. não dá pra escrever aqui e agora. então, te desejo boa viagem de retorno. e, quem sabe, outros contatos?

2 de outubro de 2007 21:03  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial